Escolher o berçário para deixar o seu bebê não é uma tarefa fácil. É preciso ter certos cuidados. Confira as dicas

No berçário: o ritmo de cada bebê precisa ser respeitado, inclusive em relação às sonecas

O fim da sua licença maternidade está chegando ao fim? Você já deve estar nervosa, só de pensar que vai deixar seu bebê sob cuidados de estranhos. Realmente, escolher o berçário ideal não é uma tarefa fácil. É preciso pesquisar bastante e escolher um lugar que te passa confiança. Confira o roteiro e fique mais segura para acertar na escolha.

A primeira coisa a fazer

Embora até os 2 anos a rotina do bebê na escola ainda se foque em cuidados como troca de fraldas e alimentação, ela não deve se resumir a isso. É importante conversar com o coordenador pedagógico para saber o que mais é oferecido para a faixa de idade do seu filho. “Mesmo novinha, a criança deve ouvir música e histórias, ver reproduções de obras de arte, manipular instrumentos musicais. O convívio precoce com diferentes formas de arte a leva a se familiarizar naturalmente com elementos da nossa cultura”, diz a assessora em educação Beatriz Gouveia.

Professores na sua mira

A formação superior em pedagogia é obrigatória para os professores de educação infantil, mas não para os auxiliares que acompanham as classes. Até 18 meses, a medida é um professor e dois auxiliares para 12 alunos. De 18 a 30 meses, um professor e dois auxiliares são suficientes para 16 alunos. Esses limites são importantes para garantir que o bebê seja atendido em todas as suas necessidades.

Estímulos (e espaço) sob medida

Uma criança que começa a conhecer o corpo e ganha autonomia a cada dia precisa de ambientes amplos para rolar, engatinhar, andar e correr. “Escadas e desníveis aumentam o risco de quedas”, lembra Beatriz. Já rampas e pequenos obstáculos ajudam a descobrir novos movimentos. Confira outros indícios positivos:

· Almofadas e espelhos nas salas de convivência favorecem a movimentação e o autoconhecimento.

· Uma área externa com sol indireto em pelo menos um período do dia, além de terra e areia para brincar, propicia experiências sensoriais importantes nessa idade.

· Os brinquedos devem ter diferentes texturas, tamanhos, formas e cores. Carrinhos de puxar e de empurar, blocos para empilhar, jogos de encaixe, bolas e baldinhos continuam imbatíveis para a estimulação.

· Os livros têm que estar em prateleiras e armários compatíveis com a altura do pequeno – o acesso fácil a eles ajuda a despertar o gosto pela leitura.

· O acervo de histórias e músicas precisa ser diversificado para estimular a linguagem. É bom que reúna, por exemplo, cantigas infantis tradicionais e modernas e até música clássica. Além de livros com ilustrações grandes e quase sem texto, também são bem-vindos contos de fadas, trava-línguas e pequenas poesias.

Saúde em primeiro lugar

Limpeza e bons hábitos de higiene minimizam o contágio por vermes e doenças tipicamente infantis. Por isso, verifique se os ambientes são arejados, limpos e bem ventilados. Pergunte como os brinquedos são higienizados e com que frequência há troca de lençóis e capas de almofadas. O correto é lavar com água e sabão ao final de cada período e mudar as capas de almofada duas vezes por semana. Quanto ao lençol, o ideal é cada um levar o seu e trocá-lo semanalmente. Aproveite a visita para observar se assistentes e professores lavam as próprias mãos após trocar a fralda de cada criança e se os pequenos são levados para lavar as mãozinhas antes de comer e depois de brincar na areia ou na terra. A presença de pia, dispenser de sabonete e toalheiros abastecidos é um bom sinal.

A rotina é saudável para crianças pequenas e cabe ao berçário oferecer atividades estruturadas com horário fixo. No entanto, quando se fala de bebês, o ritmo de cada um precisa ser respeitado, inclusive em relação às sonecas. “É melhor que ele continue dormindo nos horários de costume”, afirma a psicóloga Cisele Ortiz. E, se o local do cochilo não conta com isolamento acústico, questione sobre as medidas tomadas para que as atividades do grupo não atrapalhem o descanso dos demais.

Saiba como a escola age diante de um problema de saúde ou de um acidente. A melhor postura é informar os pais de imediato caso a criança fique com febre, queixe-se de dor, sofra uma queda ou bata a cabeça, por exemplo. E atenção: nenhuma medicação pode ser dada sem a autorização da família. Alguns berçários contam com pediatra, enfermeira e nutricionista, e esse benefício pode servir como critério de desempate.

Alimentação e localização

O mesmo zelo deve estar presente em relação à alimentação. Peça para ver o cardápio e observe se as refeições são parecidas com o que o bebê come em casa, com verduras, frutas e carnes – desconfie de excessos de fritura, doces e alimentos industrializados, como hambúrgueres, nuggets e embutidos. Visite a cozinha (dando uma olhada na higiene) e certifique-se da qualidade dos ingredientes. Aproveite e confira se o que está sendo servido corresponde ao previsto no cardápio.

A distância da escola e o valor da mensalidade também importam. Para a criança, é mais cômodo um berçário próximo de casa. “Passar muito tempo no trânsito seria um sacrifício para o bebê”, diz Beatriz. Mas verifique se o horário da escola é compatível com seu período de trabalho e se há profissionais para ficar com o pequeno caso o responsável se atrase na hora de pegá-lo.

Como escolher o berçário ideal para o seu bebê

Converse com o coordenador pedagógico do berçario para saber o que é oferecido para a faixa de idade do seu bebê

Acerte na escolha:

· Na primeira visita à escola, apareça de surpresa, sem marcar. E desconfie se for impedida de entrar.

· Vá pelo menos duas vezes ao berçário, em períodos diferentes, para verificar o ambiente e a conduta dos profissionais com as crianças.

· Faça questão de agendar um horário com o coordenador pedagógico da escola. Ele é o profissional mais habilitado para explicar os valores que a escola privilegia, sua forma de trabalho e de relacionamento com a família.

· Se possível, converse com mães de crianças que frequentam os berçários que você está visitando. Pergunte por que escolheram o local, se suas expectativas foram atendidas e analise se elas coincidem com as suas exigências.

7 regras de segurança

Ande pela escola e observe se…

· As pias e os vasos dos banheiros são de tamanho apropriado para o bebê;

· As escadas, áreas envidraçadas, janelas e sacadas têm proteção de redes ou grades;

· Os produtos de limpeza, remédios e objetos cortantes são mantidos longe do alcance dos bebês;

· As instalações elétricas são protegidas;

· As superfícies metálicas estão livres de ferrugem e com protetores nas quinas;

· Os brinquedos são adaptados, com escorregadores baixos e balanços com apoio para as costas;

· Há turnos organizados por idade para as brincadeiras no parquinho. Essa é uma necessidade nessa fase para evitar que os pequenos acabem machucados pelos mais velhos, mesmo que eles convivam em outras atividades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *